Histórico 2020
galeria

12.09 – 15.11.2020

PRÉMIO PAULO CUNHA E SILVA
2.ª EDIÇÃO

O Prémio de Arte Paulo Cunha e Silva foi criado pela Câmara Municipal do Porto, como homenagem ao antigo vereador da cultura Paulo Cunha e Silva, direcionando-se a artistas com menos de 40 anos. O júri da segunda edição do prémio – Isabel Lewis, John Akomfrah, Margarida Mendes e Shumon Basar – analisou os portefólios de 48 artistas selecionados por um conjunto de 16 curadores por eles indicados. Por fim, os quatro jurados selecionaram seis finalistas, provenientes de diferentes geografias culturais e com práticas artísticas bastante distintas, cujas vozes, na sua opinião, articulam o momento atual e o que está por vir. O júri manifestou-se comovido pela sua beleza, ternura, especulação política ou simplesmente pela sua magia. O vencedor será anunciado no decorrer da exposição.
Artistas:
Basir Mahmood
Firenze Lai
Lebohang Kganye
Shaikha Al Mazrou
Song Ta
Steffani Jemison

Fotografia:
Dinis Santos
galeria

12.09 – 15.11.2020

WAVES AND WHIRLPOOLS
LUÍS LÁZARO MATOS

Inspirada na forma triangular do espaço da mezzanine da Galeria Municipal do Porto como uma potencial metáfora do Triângulo das Bermudas, a nova série de obras criada por Luís Lázaro Matos transporta-nos para um remoinho de imagens suspensas no espaço.
Com curadoria de Martha Kirszenbaum (curadora do Pavilhão de França na 58.ª Bienal de Veneza, 2019), o projeto expositivo nasce do fascínio do artista pela mitologia do mar. Sendo a música uma das principais componentes da sua prática, Luís Lázaro Matos inspirou-se nos sete temas do seu mais recente álbum, Waves and Whirlpools, para criar os sete dípticos que constituem a exposição homónima.
As composições pictóricas e musicais, concebidas a partir de camadas sobrepostas de tinta e de sons, convidam a uma imersão em universos místicos, românticos e perturbantes, onde se distingue uma fantasia suprema de domínio sobre o oceano e as suas ondas incontroláveis.
__

Texto Curatorial

Para a sua exposição individual na Galeria Municipal do Porto, Luís Lázaro Matos (1987) – artista sediado em Lisboa e cuja prática abrange a pintura, o desenho, a música e a performance – criou um conjunto de sete dípticos inspirados em sete canções lançadas recentemente que contêm referências à mitologia do mar.

Lázaro Matos pinta intrigantes cenários repletos de ondas azul-escuras e palmeiras ‘cartoonescas’ sorridentes , assombrados por criaturas fantásticas como tartarugas marinhas, raias, polvos, baleias, mas também por pássaros e uma cadela astronauta chamada Laika. A iconografia que o artista apresenta poderá lembrar o realismo mágico da artista portuguesa Paula Rego, cuja interpretação dos contos de fadas se tornou uma importante fonte de inspiração para a sua própria abordagem. Uma personagem é recorrentemente retratada na exposição – trata-se de um autorretrato alegórico de um músico transformado em tartaruga marinha, que faz uma serenata a uma figura egípcia numa cena que evoca o Êxodo e a partição do Mar Vermelho, expressando, deste modo, a derradeira fantasia do artista de ter poder sobre o oceano e as suas incontroláveis ondas e correntes. Lázaro Matos delineou também misteriosos seres alienígenas, ecoando o seu fascínio por teorias da conspiração e pelo Triângulo das Bermudas, uma das fontes de inspiração para este projeto, também evocada pela forma arquitetónica do espaço da exposição.

Cada pintura inclui uma longa corda negra que parece interligar e relacionar todas as obras, como um fio de Ariadne sob a forma de um cabo áudio, relembrando-nos que a música está presente no âmago do trabalho de Luís Lázaro Matos. Para esta série em particular, o artista criou sete temas num punk animado e barulhento, estilisticamente inspirados pelas músicas da banda americana Sonic Youth. As letras e títulos de cada uma das canções abordam e elucidam os temas desenvolvidos nesta série de pinturas: Red Sea [Mar Vermelho], Whirlpools [Redemoinhos], Laika Surfing Cosmic Waves [Laika surfando ondas cósmicas] e Tsunami, entre outras. Nas composições musicais do artista, o arranjo baseia-se na sobreposição de diferentes instrumentos, um método também usado nas suas pinturas, com a aplicação de diversas demãos de primário e camadas de tinta. A história contada pelas suas telas é ainda pontuada pelo aparecimento de vários instrumentos musicais (guitarras, teclados ou microfones) – presença que faz transparecer um universo visual profundamente místico, romântico e perturbante.
Curadoria:
Martha Kirszenbaum

Fotografia:
Dinis Santos

galeria

02.06 – 19.07.2020 / PALÁCIO DAS ARTES

PROJETO SATÉLITE: ANUÁRIO 19

Anuário é uma exposição e, em simultâneo, uma análise reflexiva sobre as práticas curatoriais e artísticas desenvolvidas no Porto ao longo de um ano. Integrado na plataforma Pláka – que agrega os programas de apoio do município à arte contemporânea – o projeto foi concebido por João Ribas e Guilherme Blanc e é desenvolvido anualmente por um coletivo de curadores convidados pelos dois para acompanhar, documentar e analisar projetos artísticos apresentados em espaços (de acesso público) da cidade. Esta é uma exposição que resulta de um trabalho continuado de pensamento sobre a produção artística e de um processo de curadoria participado, em que as perspetivas de diversos curadores confluem num entendimento sobre a arte no Porto no último ano.
ANUÁRIO 19
Palácio das Artes / Fundação da Juventude

Curadoria:
Catarina Miranda
Eduarda Neves
Filipe Marques
Samuel Silva
Simão Bolívar

Comissariado por:
Guilherme Blanc
João Ribas

Artistas:
ACCA (André Covas + Carmo Azeredo)
Ângelo Ferreira de Sousa
António Poppe
Bergado & Terebentina
Carla Castiajo
Carlos Arteiro
Carlos Mensil
Celeste Cerqueira
Dan Halter
Daniel Moreira & Rita Castro Neves
Ece Canli
Emídio Agra
Fabrizio Matos
Flávio Rodrigues
Francisco Tropa
Guilherme de Sousa & Pedro Azevedo
João Baeta
João Gabriel
João Pedro Trindade
Jonathan Uliel Saldanha
Marco Pires
Mariana Barrote
Mauro Cerqueira
Mauro Ventura
Nuno Ramalho
Patrícia Geraldes
Paulo Ansiães Monteiro (PAM)
Pedro Tudela
Ruca Bourbon
Susana Chiocca
Tiago Afonso
Tomás Abreu
Vera Mota

Fotografia:
Dinis Santos
galeria

02.06 – 16.08.2020

APESAR DE NÃO ESTAR, ESTOU MUITO
DIOGO JESUS

Há mais de uma década que Diogo Jesus produz desenhos, textos, banda desenhada e música sob vários pseudónimos. Como RUDOLFO edita e publica fanzines e música em edições de autor desde os 16 anos; desde então já criou mais de 40 publicações independentes e participou em diferentes antologias de banda desenhada, tanto em Portugal como noutros países; paralelamente, tem colaborado com diversos artistas, músicos e escritores. Com curadoria de João Ribas (ex‑diretor do Museu de Serralves e curador do Pavilhão de Portugal na 58ª Bienal de Veneza, 2019), a exposição reúne as obsessões autobiográficas do artista e a sua distinta perspetiva da cultura popular. Nos seus desenhos e bandas desenhadas, o seu elenco de pessoas, mutantes, alienígenas e tudo o que se encontra pelo meio proporciona um incessante comentário sobre questões como a criatividade, o género e a masculinidade, e as condições de produção de arte, simultaneamente desafiando os limites do livro de banda desenhada. Apesar de não estar, estou muito apresenta desenhos, objetos, vídeos e textos de uma miríade de projetos e publicações do artista a partir de 2007, desde as suas primeiras bandas desenhadas underground independentes até aos seus mais recentes projetos como DJ Nobita e Gekiga Warlord, todos atravessados tanto pelo seu sarcástico humor como por uma dilacerante honestidade.
Curadoria:
João Ribas

Fotografia:
Dinis Santos
galeria

02.06 – 16.08.2020

MÁSCARAS (MASKS)

As máscaras têm um lugar na história das sociedades desde tempos remotos. Atualmente, enquanto sintoma de um tempo de transformações extremas, as máscaras adquiriram uma renovada relevância e premência, materializando-se sob diversas aparências. Desde avatares usados online para fins de entretenimento, propaganda ou ativismo até aos diferentes movimentos que nos levam a ocupar ou abandonar as ruas, a nossa vida quotidiana ritualizada está hoje repleta de práticas de caricatura, camuflagem, disfarce, face-swapping, mascarada, imitação, proteção, ridículo, maquilhagem social, entre outras. João Laia (curador-chefe de exposições no Kiasma Museum of Contemporary Art) e Valentinas Klimašauskas (curador, escritor e um dos curadores do Pavilhão da Letónia na 58ª Bienal de Veneza, 2019) propõem um olhar sobre a profunda reformulação em curso das nossas múltiplas identidades históricas, sociopolíticas, sexuais e transcendentais, questionando os atuais processos em que nos metamorfoseamos de uma em outra.
Curadoria:
Valentinas Klimasauskas
João Laia

Artistas:
Caroline Achaintre
Bora Akinciturk
Evgeny Antufiev
Jakub Choma
Joana da Conceição
Adam Christensen
echho + seashell
Justin Fitzpatrick
David Hall
Kiluanji Kia Henda
Sidsel Meineche Hansen
Elena Narbutaitė
Joanna Piotrowska
Adrian Piper
Laure Prouvost
Jacolby Satterwhite
Cindy Sherman
Victoria Sin
Jonathan Uliel Saldanha
The Dazzle Club
Amalia Ulman

Fotografia:
Dinis Santos

Assine a nossa newsletter