Gineceu e Estigma
O programa Um Elefante no Palácio de Cristal parte de um convite da Galeria Municipal do Porto a três curadores e um coletivo artístico para o desenvolvimento de um programa público sobre a Primeira Exposição Colonial Portuguesa, que se realizou em 1934 nos Jardins do Palácio de Cristal — e que teve como mascote o elefante, à época materializado tanto em souvenirs de porcelana como numa majestosa escultura no cimo do Palácio.
 
Desenterrando visões e rastos históricos, este eixo programático propõe revisitar o acontecimento e expor as suas implicações na contemporaneidade através de três subtemas:
 
Em Ética do Olhar e da Representação, convocam-se questões de literacia visual, com um foco na problemática de 'quem olha quem', 'de onde olha' e 'como olha', partindo dos registos visuais existentes da Primeira Exposição Colonial Portuguesa para uma reflexão crítica orientada através de olhares contemporâneos.
 
Em Colonialismo, Capitalismo e Religião, evoca-se a relação entre o poder político, económico e ideológico, explorando temas como as relações materiais e de produção, a política colonial extrativa, a Escravatura, o trabalho forçado e o estatuto do indigenato.
 
Em Encenação do Império Colonial, realiza-se uma análise histórico-política desta e de outras exposições coloniais e das suas reminiscências na memória e no espaço urbano atuais.
 
Dentro de cada subtema é proposto um programa de sessões para o público geral e para as escolas, que inclui debates, exibição de filmes, workshops e percursos orientados por investigadores e artistas.
 
Curadoria 
 
Alexandra Balona é investigadora e curadora independente. É doutoranda na European Graduate School & Lisbon Consortium e investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. É membro da associação Rampa e cofundadora de PROSPECTIONS for Art, Education and Knowledge Production. Foi cocuradora de Metabolic Rifts (2017–2018), coeditora de Metabolic Rifts: Reader (2019) e de An Untimely Book (2018). Integra o conselho editorial da revista Sinais de Cena, é crítica de dança no jornal Público e publica em revistas como Contemporânea e Art Press.
 
Melissa Rodrigues
Performer e arte‑educadora, Melissa Rodrigues é licenciada em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, tendo‑se especializado em Performance pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Integrou, ainda, a Formação Intensiva Acompanhada em Artes Performativas pelo c.e.m. — centro em movimento, em Lisboa. Como investigadora nas áreas da Performance e Cultura Visual, tem desenvolvido pesquisa em Imagem e Representação do Corpo Negro, em colaboração com artistas visuais, cientistas sociais e performers. Integra o InterStruct Collective, a associação Rampa e o Núcleo Anti‑Racista do Porto.
 
Nuno Coelho
Nuno Coelho é designer, curador, professor na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e investigador do CEIS20 — Centro de Estudos Interdisciplinares da Universidade de Coimbra. Doutorado em Arte Contemporânea, Nuno Coelho debruça‑se, no seu trabalho, sobre conceitos como identidade e memória, explorando arquivos e a política de produção de imagens por instituições e marcas comerciais históricas portuguesas. É membro da associação Rampa. É coautor do livro Uma terra sem gente para gente sem terra (2009), autor de Uma história de Confiança (2017) e editor do 5.º Caderno — Ensaio sobre os arquivos do Rivoli (2017).
 
Com a participação de InterStruct Collective
Pela pertinência e relevância do trabalho desenvolvido em torno da Primeira Exposição Colonial Portuguesa do legado colonial no espaço público, o InterStruct Collective foi convidado a realizar o projeto ATLAS, que atravessa e une os diferentes momentos deste programa. Criado em 2018, o coletivo visa fomentar o diálogo em torno do interculturalismo, proporcionando uma plataforma discursiva onde pessoas de diferentes origens culturais podem colaborar, propor intervenções e encenar projetos artísticos de importância social. O InterStruct Collective é composto por Claire Sivier, Desirée Desmarattes, Isabel Stein, Melissa Rodrigues, Miguel F., Sebastian Ioan e Vijay Patel.

Assine a nossa newsletter