Programas Públicos
Ciência é arte
Considerando os modos como a ciência e a arte descobrem e interrogam o mundo, faço a pesquisa sair do laboratório, partilhando conhecimentos sobre temas que importam para o presente da arte, como o medo, a reprodução e a alquimia moderna. 
galeria

Ciência é arte / Sexta-feira, 8 de abril, 19h00

A Ciência do Medo — Marta Moita

O medo é uma emoção primitiva, comum a todos os animais e essencial à sua sobrevivência. Mas é também uma emoção enigmática. Como é disseminado o medo? Como funcionam os mecanismos de defesa perante uma situação de risco e qual a sua influência no comportamento animal? E como é que o contexto determina a reação dos organismos ao perigo? 
No Behavioural Neuroscience Lab, a equipa da investigadora Marta Moita estuda a raiz do medo, focando-se nas rápidas alterações fisiológicas e comportamentais que ocorrem nos animais quando expostos ao perigo, e como estas contribuem para a sua sobrevivência.
 
Marta Moita é investigadora principal de neurociências comportamentais na Fundação Champalimaud, Lisboa. Estuda os mecanismos do condicionamento pelo medo.
Local: Auditório BMAG

Créditos das imagens: Renato Cruz Santos
galeria

Ciência é Arte / Sexta-feira, 22 de julho, 19h

A Amiga da Onça — Patricia Saragüeta

A onça-pintada, ou jaguar, é um dos maiores felinos do mundo e uma das espécies mais emblemáticas das Américas. Este animal, que se situa no topo da cadeia alimentar, necessita de grandes áreas preservadas para sobreviver, atuando como indicador de qualidade ambiental. As crescentes alterações climáticas provocadas pela humanidade, a desflorestação e a caça furtiva têm consequências devastadoras para a vida selvagem, sendo a onça um dos muitos animais afetados, estando em perigo de extinção.
 
Num esforço por tentar preservar esta espécie, têm sido feitas tentativas em várias frentes, sendo uma delas a reprodução. É aqui que a cientista, poeta e artista Patricia Saragüeta contribui, através do estudo genético das onças, reconstruindo a sua história evolutiva. Num projeto maior, com a participação de especialistas de diferentes países, tem sido feito um esforço coletivo para encontrar novas ferramentas que, em última instância, contribuirão para a conservação desta espécie ameaçada.
 
Para além de investigadora, Saragüeta é poeta e artista, cruzando o mundo da ciência com o das artes e do pensamento. Na sessão da Galeria Energia, irá partilhar o trabalho que tem vindo a desenvolver em torno da onça-pintada, mas também refletir nos pontos de encontro entre essa realidade e o universo criativo.



Patricia Saragüeta é licenciada e doutorada em Química, investigadora na Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (CONICET), cientista e artista plástica. É professora na Faculdade de Ciências Exatas e Naturais (FCEyN UBA), em Buenos Aires, e em conjunto com a sua equipa, participa na criação do Banco de Recursos Genéticos de espécies nativas ameaçadas na América do Sul, mais recentemente, na sequenciação do genoma da Onça-pintada. No campo artístico, dedica-se à poesia e ao cruzamento entre arte e ciência. Em 2007, foi seleccionada para uma performance colaborativa com a artista visual americana Joan Jonas (EUA), por ocasião da sua exposição "Timelines: Transparencies in a Dark Room", no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (Macba, 2007), e apresentou obras com os artistas Martin Bonadeo e Oliverio Duhalde em torno do trabalho do Nobel de Fisiologia Bernardo Houssay.

Local: Galeria da Biodiversidade (Rua do Campo Alegre, 1191)

Créditos das imagens: Dinis Santos

Ciência é Arte / Sexta-feira, 11 de novembro, 19h00

Metamorphosis — Emanuele Coccia

A partir da transformação da lagarta em borboleta, Emanuelle Coccia reflete e questiona a estrutura da vida a partir da sua capacidade mais extrema: a da metamorfose. O filósofo conclui que a vida é indissociável de uma identidade anatómica e ecológica específica em que todos os seres vivos participam numa existência única.

Emanuele Coccia é professor associado de Filosofia na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) em Paris. A sua obra explora a biologia, estética e arte contemporânea.
A sessão decorrerá em inglês com tradução simultânea para português. 

Local: Auditório Biblioteca Municipal Almeida Garrett

Entrada gratuita mediante lotação da sala.
Para participar na conferência deve levantar o bilhete (máximo 2 por pessoa) até 15 minutos antes do início do evento.
Reserva antecipada através do e-mail galeriamunicipal@agoraporto.pt.
 
Imagem: Frank Perrin
galeria

Ciência é Arte / Quinta-feira, 18 de janeiro, 19h00

Vibrações Cósmicas – Da Física às Artes no Cern — Mónica Bello com Nicole L’huillier

Concebendo a arte como uma prática impulsionada pelo conhecimento que, a par da ciência, contribui para a sociedade e é um pilar da cultura contemporânea, o programa Arts at CERN fomenta a investigação, a produção e a partilha de disciplinas criativas para abordar a forma como as grandes questões sobre o nosso universo são exploradas pela ciência. Nesta conversa, Nicole L'Huiler e Mónica Bello, discutem as formas em que a arte e a ciência se desafiam e interrogam mutuamente.

Curadora historiadora de arte, Mónica Bello dirige Arts at CERN, em Genebra, promovendo residências artísticas, comissões de arte e exposições. Bello é também curadora do Pavilhão da Islândia na Bienal de Veneza de 2022.
A artista Nicole L'Huillier trabalha com som, vibrações, ressonâncias, e múltiplas transduções para explorar a performatividade da micro à dimensão cósmica. Participou no programa Simetria, que lhe permitiu uma residência no CERN e nos observatórios astronómicos do Sul do Chile, ALMA e Paranal.
Local: Auditório Biblioteca Municipal Almeida Garrett

Lotação limitada.
Reserva antecipada de bilhete, gratuito, através do e-mail galeriamunicipal@agoraporto.pt.

Imagem: Nicole L'huilier, "Leche Holográfica"
 

Assine a nossa newsletter